22 mai

Em live no Facebook, o deputado estadual Capitão Wagner (PR) comentou a delação do empresário Wesley Batista, do grupo JBS, onde ele afirmou que a empresa recebeu, em agosto de 2014, R$ 97.519.723,27 do governo do Ceará em restituição de créditos de ICMS, em troca do pagamento de R$ 20 milhões. Segundo Batista, em meados de 2014, o então governador do Ceará, Cid Gomes (PDT), esteve na sede da JBS, em São Paulo e solicitou contribuição para a campanha de Camilo Sobreira de Santana (PT) ao governo do Estado. “Todos devem estar acompanhando a imprensa e tínhamos a expectativa de que, só quando fossem investigadas as obras do Castelão e do Centro de Formação Olímpica, é que seriam descobertos desvios de recursos públicos, por conta da operação Lava Jato. Hoje vemos que o caso é ainda mais grave”, disse.

Capitão Wagner explica que para articular a candidatura do atual governador Camilo Santana (PT), na gestão do então governador Cid Gomes (PDT), o governo renunciou R$ 100 milhões. “Isso é nosso dinheiro, para imposto, que deveria ter sido aplicado em segurança, saúde, educação”.

O parlamentar classifica a notícia como triste e preocupante para os cearenses. “Esses  R$ 100 milhões poderiam ser utilizados para benefício da população, principalmente na área da saúde. Hoje, nós vemos uma dificuldade muito grande para que os hospitais possam funcionar, o Hospital de Quixeramobim, todos já conhecem a realidade, estou aqui em Juazeiro e o hospital Regional de Juazeiro também passa por sérias dificuldades, sem falar em Fortaleza, do HGF, do Hospital do Coração de Messejana e outras unidades”, lamentou.

Para Capitão Wagner, independente de quem sejam os acusados, todos devem ser condenados a partir das provas. “Não queremos nos precipitar, sejam quem for, do PSDB, do PMDB, do PR, do PT, seja qual for o partido, devem ser punidos”, defendeu.

Sobre o presidenciável Ciro Gomes (PDT), Capitão Wagner lembrou que recentemente, em rede social, ele disse que todos que estivessem envolvidos na Lava Jato, deveriam “se lascar”. “Espero que ele não mude de opinião agora, pois o irmão dele está atolado até o talo, na Lava Jato. Lembrando que isso é só por conta da delação da JBS, ainda falta delação da Odebrecht, em relação ao Ceará, ainda falta delação da Queiroz Galvão, e de várias outras empreiteiras, que durante a gestão do Governo do Cid, atuaram no Ceará”, explicou.

Capitão Wagner disse ainda que o presidente Michel Temer (PMDB) não tem mais a menor condição de permanecer à frente do país. “Esperamos que a chapa que será julgada no TSE seja cassada, porque não dá para continuar com um governo desses, que não representa os interesses da população. Espero que as autoridades competentes, a Justiça Federal, o Ministério Público Federal, possam agir com rapidez, para que os envolvidos nesse escândalo sejam punidos, para que possamos ressarcir o povo cearense com o recurso que foi entregue a uma empresa que se beneficiou de forma escandalosa de recursos públicos”, finalizou.

Deixe um comentário